Arquivo da categoria: Notícias

Soumix Rede social na internet para músicos na Revista Exame

Voltada para músicos, a rede social brasileira SouMix é diferente do MySpace porque é aberta à colaboração. As músicas podem ser criadas online por vários usuários.

Ou seja, além de ser um espaço para divulgar o trabalho, conhecer outros músicos, ouvir novas criações, os usuários da SouMix – criada pela Lector Tecnologia em Informática – podem ter suas criações editadas por outras pessoas. A ferramenta de edição pode ser restringida, assim o usuário mantém o controle sobre quem mexe nas suas criações.

soumix

http://exame.abril.com.br/carreira/noticias/9-redes-sociais-de-nicho-voltadas-para-carreiras#5

Como funciona? Um usuário grava uma melodia em violão, por exemplo, e aguarda a colaboração de baixistas, bateristas, cantores e outros músicos interessados em ajudar na composição.

Para conhecer melhor o SouMix acesse: http://www.soumix.com.br

Para conhecer a empresa Lector Tecnologia acesse: http://www.lectortec.com.br


Recife sedia projeto pioneiro de ensino musical a distância

eMasterclass ofecerá aulas para instrumentistas de cordas pela internet. Ainda há vagas no projeto, que contará com professores estrangeiros.

Acontece nesta sexta-feira (16), no Recife, a aula inaugural de um projeto pioneiro no Nordeste que promove o ensino musical a distância para instrumentistas de cordas: o eMasterclass. Até junho, os participantes terão aulas de aperfeiçoamento técnico por meio de videoconferências pela internet, sob a batuta de professores da Rudi Scheidt School of Music de Memphis, nos Estados Unidos, e Conservatório Carl Nielsen, da Dinamarca. As turmas são formadas por integrantes da Orquestra Criança Cidadã, mas há vagas para alunos ouvintes. A inscrição é gratuita.

Produzido pela Virtuosi Sociedade Artística e aprovado pelo Funcultura de 2011, o eMasterclass é inspirado em programas similares realizados em todo o mundo. “Aulas através de videoconferência já existem, mas um curso de longa duração feito pela internet é a primeira vez que eu vejo, pelo menos, aqui no Nordeste. Quem sabe até no Brasil? Lá fora existe, mas não de forma muito regular”, diz a idealizadora e integrante da coordenação do projeto, Ana Lúcia Altino.

O curso é para jovens músicos se aperfeiçoarem e receberem, de forma intensiva, uma orientação didática com professores e artistas experientes. O projeto oferece aula prática de instrumentos de cordas, abordando os vários aspectos técnicos e musicais da execução de cada um. “É claro que vamos esbarrar em alguns probleminhas técnicos. O som talvez não seja o melhor. Mas eles vão ver e ouvir, em tempo real, opiniões de pessoas reconhecidas, com muita experiência, que provavelmente nunca viriam aqui para isso”, afirma Ana Lúcia Altino.

Para ela, o sistema em duas vias permite ao aluno ver e ouvir os professores, que, por sua vez, mantêm ouvidos e olhos atentos aos fraseados e postura daqueles, entre outros benefícios, como tempo e comodidade. No entanto, ela lembra que as aulas via internet são um reforço para aquilo que os estudantes já estão fazendo. “Não é um substituto para as aulas convencionais. Nós abrimos essas turmas para gente que já toca e pode entender a linguagem dos mestres, para poder aproveitaram o máximo deles”, comentou.

As aulas serão ministradas na sede da Orquestra Criança Cidadã, no Quartel do Cabanga. São duas turmas pela manhã e tarde, com carga horária de oito horas semanais. O projeto contará com a participação dos professores Soh-Hyun Park (violino), Rafael Altino (viola), John Chiego (contrabaixo) e Leonardo Altino (cello).

 


Cerca de 20% dos trabalhadores mundiais trabalham de casa

Cerca de um em cada cinco trabalhadores mundiais, especialmente no Oriente Médio, América Latina e Ásia, trabalha de casa frequentemente, e quase 10% deles trabalham de casa todos os dias, de acordo com uma nova pesquisa Ipsos/Reuters.

Trabalhar de casa é especialmente popular na Índia, onde mais de metade dos trabalhadores o fazem; na Indonésia, o índice é de 34 por cento; o México registra 30%, seguido por Argentina, África do Sul e Turquia.

No entanto, essa opção de trabalho é menos popular na Hungria

, Alemanha, Suécia, França, Itália e Canadá, onde menos de 10 por cento das pessoas trabalham de casa.

“A história na verdade gira em torno dos mercados emergentes, e não sei se o Ocidente está a ponto de desenvolver tendência parecida”, disse a gerente de pesquisa da Ipsos Global Public Affairs, Keren Gottfried, que conduziu o levantamento.

“Mas muitas das vantagens são claras. A Europa e a América do Norte concordam que trabalhar de casa é uma ótima maneira de reter mulheres na força de trabalho. Isso causa menos estresse por reduzir a necessidade de deslocamento e oferece melhor equilíbrio entre a vida profissional e pessoal”, disse ela em entrevista.

A pesquisa trata de profissionais que trabalham longe de seus escritórios, comunicando-se por telefone, e-mail ou em webconferências, quer todos os dias, quer ocasionalmente.

Os avanços da tecnologia e das telecomunicações permitiram que as pessoas trabalhem de forma efetiva e eficiente sem que precisem estar o tempo todo em suas mesas no escritório. A tendência cresceu e parece que persistirá, já que 34% dos trabalhadores que recorrem a esse método dizem que o fariam em tempo integral, se pudessem.

Entre os pesquisados, 65% disseram que trabalhar de casa é produtivo porque oferece ao trabalhador mais controle sobre sua vida profissional.

“Isso dá à pessoa a oportunidade de trabalhar quando é mais produtiva”, disse Keren. “Você trabalha quando sabe que pode executar seu trabalho melhor.”

A Ipsos entrevistou 11.383 pessoas online em 24 países: África do Sul, Alemanha, Arábia Saudita, Argentina, Austrália, Bélgica, Brasil, Canadá, China, Coreia do Sul, Espanha, Estados Unidos, França, Hungria, Índia, Indonésia, Itália, Japão, México, Polônia, Reino Unido, Rússia, Suécia e Turquia.


Webconferência é a sua melhor solução!

Não importa se você precisa lançar um produto novo, realizar uma reunião com participantes em várias localidades ou oferecer treinamento para funcionários que estão fora da empresa – organizar uma webconferência pode ser a melhor solução.

À medida que as empresas crescem e se espalham pelo país e pelo mundo inteiro, elas percebem uma necessidade crescente de conectar os funcionários em várias localidades para reuniões interativas ou sessões de treinamento – e para se comunicar fora da empresa com acionistas, clientes e fornecedores distantes.

Uma webconferência é uma reunião virtual em que pessoas de diferentes localidades trocam informações em tempo real, através da Internet ou da intranet da empresa. Ela pode ter o formato de uma reunião na sala de conferências que é transmitida online.

As webconferências podem reunir as pessoas com a mesma eficiência de uma teleconferência. No entanto, organizar conferências pela Internet oferece uma ampla gama de opções de comunicação, além da fala. Elas podem incluir opções multimídia, como slides e vídeos, além de recursos interativos, como resposta imediata para pesquisas online, compartilhamento da tela e sessões de perguntas e respostas ao vivo.

Uma webconferência pode ajudar uma empresa a funcionar com mais eficiência e a economizar dinheiro.

Acesse nosso site e descubra o universo online que lhe espera: http://www.lectortec.com.br/


A maior competição do mundo em gestão estratégica de empresas usa o Lector Live

O Lector Live é a ferramenta de webconferência utilizada na maior competição em gestão estratégica de empresas, o Global Management Challenge para estudantes universitários de todo país.

A competição Global Management Challenge (GMC) que é o resultado da parceria entre pesquisadores da Universidade de Strathclyde – Glascow (Escócia), empresa de Simuladores de Gestão (SDG) e o Jornal Expresso (Portugal), desde 2009 é a Ser Total a responsável pela organização da mesma no Brasil.

O Brasil foi o primeiro país a integrar a versão global da competição, tendo contado ao longo de sua história com o patrocínio de empresas como Accenture, Microsoft, Santander, ThyssenKrupp, EDP, Delloitte, Itaú, Unibanco, Oi e Unidas.

Através da comunicação on-line e interativa do Lector Live são realizadas experiências inovadoras que encurtam distâncias e envolvem, além do Brasil, unidades da Argentina, Chile e México, tendo total de 90 pessoas, como a ferramenta é multilínguas esses eventos são realizados no idioma Espanhol.

O Sr. Marcelo Egeá, Diretor da Ser Total (organizadora da competição) relatou que “O Lector Live agiliza o processo de aprendizagem, permitindo um melhor custo benefício para o cliente, reduzindo os custos de treinamento em torno de 15 a 20% Também permite gravações, criando um histórico para consulta de outros interessados.

Pensando em oferecer informações úteis sobre carreira, crescimento e oportunidades profissionais, o Global Management Challenge Brasil sempre realiza palestras virtuais utilizando o Lector Live através do projeto GMC Carreiras.

Os palestrantes são profissionais experientes, envolvidos com as questões de atração e desenvolvimento humano, em empresas e organizações. O participante pode ouvir diretamente da fonte o que pensam e como trabalham estes profissionais, tendo a oportunidade de fazer perguntas e tirar suas dúvidas em tempo real.

Alguns dos palestrantes são pessoas como o Gerente de Recursos Humanos da Locaweb o Sr. Celso Paulon, que falou sobre o tema “Fazendo carreira no mercado de Internet” e a Sra. Eliane Dilinski, responsável pela plataforma Caminhos & Escolhas do Santander Brasil.

Marcelo Egeá concluiu relatando que “Além do Lector Live ser uma ferramenta estável e fácil de usar, a Lector sempre nos deu todo o apoio e suporte necessário, de forma rápida e descomplicada.”


Gasto corporativo global com Comunicação Unificada deve chegar a $18,7 bilhões em 2013

Em 2010, foram U$ 16,5 bi.

Segundo dados do instituto de pesquisa Gartner, relatórios recentes apontam que o gasto corporativo com comunicação unificada (teleconferência, web conferência e vídeo conferência) no mundo foi de $16,5 bilhões em 2010 e deve chegar a $18,7 bilhões em 2013.

Outro fator que vem impulsionando esse desenvolvimento é a consumerização, incorporação de novas tecnologias ao ambiente de trabalho puxada pelos usuários, como o uso de dispositivos móveis.

Executivos apontam que, por causa da crescente tendência da mobilidade no ambiente corporativo, investir em solução de UC passou a ser uma necessidade e não uma opção.

De acordo com Izabela Januario, analista de mercado da Frost & Sullivan, o Brasil representa quase 50% do mercado de comunicações unificadas da America Latina e a receita registrada pelo mesmo em 2011 foi de $726 milhões. “Estima-se que o mercado de UC irá crescer mais de 60% nos próximos quatro anos”.

O mercado brasileiro de soluções de comunicação unificada (em inglês UC) mostrou-se aquecido no final de 2011 e, este ano, esse crescimento tende a continuar. Fatores como necessidade de facilitar a comunicação empresarial e o processo decisório, elevar a produtividade, globalização de empresas, tendência de home office e altos custos de viagens internacionais têm influenciado tal movimento.


10 tendências para a mídia digital em 2012

Tempos interessantes estão por vir! Confira como o mercado publicitário deverá lidar com as novas tecnologias ao longo do ano

O ano de 2011 e o Carnaval já ficaram para trás. De agora em diante, temos pela frente dias que prometem ser intensos para o mundo online. Mas o que realmente vem por aí? Tenho certeza que no decorrer de 2012 vamos nos deparar com algumas novidades bastante interessantes. Portanto, reuni uma dezena de projeções que deverão marcar o ano que apenas começou.

1. HTML 5

Sem sombra de dúvida, a principal tendência para 2012 será um movimento para abraçar definitivamente o HTML5, principalmente agora que a Adobe matou o Flash para mobile. Ainda dando os primeiros passos para atingir um bom padrão de navegação, os esforços da indústria vão se concentrar na compreensão dos benefícios do HTML 5 em relação ao Flash.

2. Rich Media para Mobile

Graças ao aumento do tempo gasto na navegação na Internet a partir de dispositivos móveis como smartphones e tablets, a publicidade deverá explorar novas oportunidades. No entanto, vale uma ressalva: o mercado deverá distinguir os anúncios padrão em 3G e peças Rich Media para o usuário que fará um download ou estará conectado a uma rede wi-fi.

3. Facebook Apps

A pedra no sapato para o Facebook deslanchar de vez é dar às marcas mais oportunidades e visibilidade aos usuários de mobile de sua imensa base de dados. Como a rede social de Mark Zuckerberg lançou novamente sua oferta para incorporar aplicativos HTML 5, creio que os anunciantes conseguirão explorar com mais força seu potencial, uma vez que as agências são capazes de calcular o aumento da exposição até de marcas consideradas condenadas.

4. Cupons sob medida

As principais discussões a respeito das atividades baseadas em Marketing de Resposta Direta vão girar em torno de como dar o próximo passo depois de o usuário clicar na peça publicitária. Então, quais seriam as melhores maneiras de maximizar a resposta do consumidor? Anúncios direcionados online, aplicativos móveis para Mídias Sociais e QR Codes em outdoors ou na tela de TVs são apenas algumas das opções. As agências vão buscar tecnologias para movimentar o inventário da publicidade display tentando sempre aproximá-la do funil de compra, mas isso talvez só signifique mais cupons.

5. Social Buzz

Já se aceita há um bom tempo que a publicidade display leva o usuário a utilizar sites de busca para obter mais informações sobre um produto, serviço ou marca. No entanto, parece que a Mídia Social está mobilizando as pessoas com os mais diversos interesses, independente se o foco é o offline ou o online. O buzz provocado por ações de marca realizadas através de mídias sociais alcançará uma nova dimensão durante 2012.

6. Marcas como Publishers

Algumas marcas já fazem mais sucesso no Facebook e no Twitter que em mídias tradicionais e até em publishers consagrados. Por essa razão agências e anunciantes não medirão esforços para manter os consumidores finais engajados. Espere para ver marcas produzindo conteúdos exclusivos e procurando por novas maneiras de comercializar seu próprio inventário.

7. Dupla Projeção

A interação com conteúdos disponíveis em uma tela próxima a você relacionados à exibição linear de um vídeo em uma grande tela pública se tornará cada vez mais comum. Esse fenômeno ganhará proeminência e vai atrair anúnciantes a desenvolverem conteúdos interligados, permitindo uma experiência de marca ainda mais profunda para as pessoas que optaram por assistir a um vídeo e interagir com ele a partir de um tablet ou smartphone.

8. Planeta dos TV Apps

Com uma base de consumidores em constante transformação, que atualmente migra do conteúdo sob demanda para o conteúdo em movimento, os proprietários de mídia buscam adotar e monetizar aplicativos para navegadores com os mais diversos conteúdos. Jornais e revistas ampliam a oferta de aplicativos em grande velocidade. E, mais recentemente, canais de televisão também começaram a adotar essa estratégia.

9. Mensuração Cross-Media

Seja na China ou nos Estados Unidos, as agências já compram alcance combinado através de canais de TV e mídia online através de um único iGRP (Interior Gateway Routing Protocol). Por conta dessa nova realidade, as divisões de mídia estão começando a se despedaçar. Algumas questões sobre metodologia vão dominar as discussões e serão debatidas incansavelmente. Porém, a necessidade de consolidação deverá se sobrepor. Espere por compradores de TV e mídia online se esforçando para aprender cada tipo de linguagem.

10. Marca d’Água de Áudio

Minha principal dica se refere à marca d’água de áudio. Essa tecnologia não deverá apenas fazer sua estreia em 2012. Acredito que ela vai se tornar a estrela do ano. Saber quem está em uma sala conectado à TV com um dispositivo móvel via sinais de áudio de alta frequência, além de desafiar os mecanismos de medição de audiência, também vai pavimentar o caminho para a criação de novos anúncios direcionados ao consumidor desejado através de canais de mídia conectados entre si. Naturalmente, questões sobre privacidade vão se transformar em manchetes. Entretanto, o compartilhamento de conteúdos em redes sociais e a projeção são dois aspectos que poderão equilibrar a discussão. Tempos interessantes estão por vir!

Fonte: Olhar Digital