Arquivo da tag: internet

Montadoras apostam em internet em todos os carros até 2014

130212104032_car_tech_304x171_getty_nocredit

Antes de se chegar aos carros que andam sozinhos, já se poderá usar carros inteligentes.

Especialistas em tecnologia apontam que o carro é a nova fronteira para tecnologias de acesso móvel à internet, que prometem revolucionar a forma como as pessoas dirigem seus veículos. 

O primeiro sinal dessa revolução deve ser a proliferação de aplicativos no painel dos carros. Com apenas um toque, será possível encontra um lugar para estacionar, ou um restaurante para jantar.

Segundo a consultoria Machina Research, em 2020 apenas as tecnologias para fazer a vida dos motoristas mais fácil será equivalente a 20% do valor de um veículo. Isso significa um mercado de US$ 600 bilhões (cerca de R$ 1,2 trilhão).

“Até o fim de 2014, todos os veículos de algumas das grandes marcas irão oferecer algum tipo de conectividade”, acredita Jack Bergquist da consultoria IHS.

“A Ford já declarou que está vendendo mais carros assim”, disse Bergquist. “Mais de 50% dos consumidores estariam inclinados a ter um carro com internet.”

Negócio lucrativo

Segundo a fabricante de processadores Intel, as tecnologias para os “carros conectados” estão logo atrás das tecnologias para tablets e smartphones entre as que mais se desenvolvem atualmente.

Aplicativos que mostram os postos de gasolina mais próximos e comparam os preços já estão no mercado.

Mas tudo isso ainda custa caro. Um aplicativo para encontrar estacionamento, por exemplo, precisa de sensores eletrônicos e imagens aéreas.

A Intel já anunciou investimentos de US$ 100 milhões (aproximadamente R$ 200 milhões) nos próximos cinco anos em empresas parceiras que possam oferecer soluções criativas para os carros conectados.

“Se você olhar para o custo de desenvolvimento de um novo modelo, algumas companhias já estão dedicando um terço de seu orçamento para o painel do veículo e para o sistema de tecnologia”, disse.

Acidentes

130212104154_car_tech_304x171_bbc_nocredit

Especialistas temem aumento de acidentes, mas também de invasão virtual dos sistemas inteligentes

Com tanta coisa para buscar, tocar e se distrair, os motoristas não estariam correndo mais riscos de acidente? Até que tenhamos nas ruas carros que dirigem sozinho, os especialistas acham que sim.

“Você pode se empolgar com a experiência e esquecer que está dirigindo. Melhor, mais rápido e mais barato é o que os consumidores querem, mas com segurança”, diz John Ellis, especialista em tecnologia da Ford.

Segundo o National Safety Council dos Estados Unidos, um quarto dos acidentes do país ocorrem quando os motoristas usam celular enquanto estão dirigindo.

Mas os novos carros também devem estar mais preparados para situações de perigo. Em alguns veículos, sensores poderão acionar uma chamada de emergência em caso de acidente.

Hackers

Além de gerar o temor de mais acidentes, a evolução das tecnologias de conectividade à internet em veículos sugere a possibilidade de ataques virtuais contra os motoristas.

Dessa forma, o carro estaria vulnerável a hackers como os computadores. Um veículo poderia, por exemplo, ter a porta destravada e ser ligado, sem que ninguém o tocasse.

“Teoricamente, o ataque virtual é possível, mas as montadoras já estão cientes do risco e se preparando para isso”, disse John Leech, da consultoria KPMG.

Os modelos da Ford, por exemplo, separam fisicamente os aplicativos de partes cruciais para o funcionamento do veículo.

Apple e Facebook

Não são apenas as montadoras quem estão de olho no mercado dos carros inteligentes.

“Eu suspeito que serão empresas como a Apple ou o Facebook que irão desafiar com sucesso as montadoras”, diz Leech.

“A Apple já tem uma equipe muito significativa pensando como os produtos da Apple podem ser usados em um carro. Se eu estivesse apostando, seria lá que colocaria meu dinheiro”, disse.

Parece ser apenas uma questão de tempo até que os carros inteligentes compitam lado a lado com celulares e tablets na indústria da tecnologia.

Fonte: bbc

 

Conheça a plataforma de webconferência Lector Live e reduza tempo e custo em seus eventos, treinamentos, apresentações, suporte. Acesse www.lectortec.com.br e entenda porque grandes empresas adotaram a plataforma de comunicação a distância Lector Live.


Ensino à distância: isso ainda vai ser grande no Brasil

Até 2022, a expectativa é que cerca de 1,2 milhões de brasileiros estejam matriculados em universidades online, segundo estudo

size_590_mulher-computador

São Paulo – Não faz muito tempo que cursos online eram vistos como formação, no máximo, complementar àquela tradicional. Hoje já não é mais o caso. Tanto que algumas das melhores universidades do mundo oferecem cursos de MBA à distância – alguns deles dão aos alunos que graduarem diplomas exatamente iguais àqueles dos alunos de aulas presenciais.

Nos Estados Unidos, o número de MBAs e cursos complementares que podem ser feitos pela internet cresce, mas no Brasil ele cresce em uma proporção ainda maior. Por aqui, segundo dados do relatório “Manual do Ensino à Distância no Brasil” feito pela HSBC Global Research, cerca de 12% dos alunos matriculados em um curso particular de ensino superior eram do ensino à distância. Já nos EUA, o número não chegava a um terço disso.

A expectativa para 2022 é que cerca de 1,2 milhões de pessoas estejam matriculadas em cursos privados de ensino à distância. Isso representaria 16% do total de matrículas no mercado, e um crescimento médio anual de 3,8% até lá.

O segmento tende a crescer, de acordo com o relatório, por conta das oportunidades que oferece. Segundo os especialistas do HSBC Global Research, o potencial de crescimento se dá por causa da “conveniência e custo mais baixo comparado aos cursos tradicionais”.

Alunos mais velhos, por exemplo, que se formaram do ensino médio há anos, são um grande grupo potencial para ensino à distância. O avanço nas tecnologias da área (com chats ao vivo, produção audiovisual e softwares para provas e exames, por exemplo) também colabora para a disseminação desses cursos e para maior aceitação deles.

Fonte: Exame.Abril

Conheça a plataforma de webconferência Lector Live e reduza tempo e custo em seus eventos, treinamentos, apresentações, suporte. Acesse www.lectortec.com.br e entenda porque grandes empresas adotaram a plataforma de comunicação a distância Lector Live.


Psicólogo Online: seja atendido sem sair de casa

Hoje, no Brasil, temos mais de 80 milhões de internautas. Para atender essas pessoas, que buscam um aconselhamento, o site Psicolink é um dos primeiros do país a oferecer orientação psicológica on line, cobrindo todo o território nacional e atuando como alternativa inovadora e diferenciada, já que o cliente pode acessar um psicólogo sem sair de casa.

O site tem a capacidade de oferecer até 200 orientações simultâneas, por preços acessíveis, 24h e com alta tecnologia. A orientação psicológica é realizada por psicólogos devidamente registrados e autorizados pelo Conselho Federal de Psicologia, em vídeo chat ou somente o chat, disponibilizados pelo próprio site, buscando obter maior segurança no tráfego das informações.

“Nós fornecemos o mais alto nível de tecnologia possível para facilitar a prática da orientação psicológica por meio da internet, e estamos empenhados em continuar melhorando o sistema com as últimas tecnologias, assim que elas estiverem disponíveis”, ressalta Milene.

A prática de orientação online já é reconhecida e disseminada nos Estados Unidos, Canadá e Reino Unido, sendo que no Brasil ainda é muito recente. O Psicolink surgiu para atender ao público exigente e que precisa de tempo, praticidade e rapidez. “O nosso objetivo é ampliar  essa técnica no Brasil, atendendo à grande demanda de clientes que preferem utilizar serviços através da web”, finaliza Milene.

Fonte: B2B Magazine

Conheça a plataforma de webconferência Lector Live e reduza tempo e custo em seus eventos, treinamentos, apresentações, suporte. Acesse www.lectortec.com.br e entenda porque grandes empresas adotaram a plataforma de comunicação a distância Lector Live.


Medicina à distância deve se tornar tendência no futuro

A população mundial está envelhecendo e cada vez mais gente vai precisar de assistência médica. A conta não vai fechar se a medicina continuar a ser praticada em consultórios e hospitais. Mas o cenário deve mudar bastante.

A análise é de um grupo de especialistas da Ernst & Young, consultoria internacional que atende empresas interessadas em saber para onde vai caminhar o mercado da medicina. De acordo com o trabalho, uma parte importante da assistência médica no futuro será feita no que a Ernst & Young chamou de o “terceiro lugar” (os outros dois são o hospital e o consultório).

Esse terceiro lugar seria, por exemplo, a casa do paciente que tem doenças crônicas como diabetes, obesidade e problemas respiratórios – ou onde ele estiver.

Por isso, as principais inovações na área de saúde virão de tecnologias que permitam assistência remota, como aplicativos para tablets e para celulares que lembrem o horário de tomar um medicamento, por exemplo.

“Hoje, 75% dos custos de assistência médica vêm de doenças crônicas e número tende a aumentar. Esses pacientes não precisam estar no hospital, mas necessitam de acompanhamento”, explica Glen Giovannetti, um dos coordenadores do estudo. “É uma espécie de renovação da ideia do ‘médico da família’”, explica Patrick Flochel, da Ernst & Young. “Só que o médico ficará acessível por novas maneiras. Isso causará uma mudança de comportamento do médico e do paciente.”

VIDA REAL

De acordo com o médico Chao Lung Wen, professor de telemedicina da Faculdade de Medicina da USP, esse monitoramento remoto vai reforçar os vínculos do paciente com os profissionais de saúde, motivando-o a seguir os tratamentos prescritos.

O médico da USP está trabalhando em uma parceria com uma operadora de celular para lançar um serviço de “nuvem da saúde”. A ideia é que essa rede de informações médicas esteja acessível em diferentes níveis: um gratuito, com informações de utilidade pública sobre prevenção, vacinas e epidemias, e outros com acesso pago, com assuntos de interesse específico do usuário e participação em grupos de discussão com profissionais de saúde.

Fonte: Folha/Uol


Brasil é o quarto mercado mundial de mobilidade

A GSMA Association divulgou uma pesquisa que aponta o Brasil, o 4º maior mercado móvel do mundo, com mais de 260 milhões de conexões móveis ativas, sendo 60 milhões em banda larga móvel. Mantendo as atuais taxas de crescimento, o País chegará a 2014 com 135 milhões de conexões em banda larga móvel.

O crescimento virá da oferta de novas tecnologias e serviços, como NFC, saúde móvel, educação móvel e comércio móvel. “O Brasil representa hoje uma oportunidade real para que as tecnologias móveis entreguem mais benefícios socioeconômicos ao País”, disse o CEO da GSMA, Franco Bernabè.

O estudo aponta que, com a massificação do uso de tablets e smartphones no País, o tráfego por usuário deverá crescer 83% ao ano entre 2008 e 2020, com previsão de um parque de 75 milhões de smartphones em operação em 2016. Na mesma medida, a demanda por banda larga móvel deverá crescer 19 vezes entre 2011 e 2016.

Copa e Olimpíadas
A realização da Copa do Mundo em 2014, e das Olimpíadas em 2016, serão grandes incentivadores no crescimento da demanda. A Copa do Mundo, por exemplo, deverá gerar cerca de 1 milhão de conexões em roaming criando, durante dois meses, um tráfego 300 vezes maior que o normal.

As Olimpíadas não ficarão atrás. O estudo da GSMA aponta que as Olimpíadas de Londres, realizadas este ano, geraram um tráfego equivalente a 60 GB por segundo durante sua realização e este volume deverá crescer consideravelmente nos próximos quatro anos.

Fonte: http://convergenciadigital.uol.com.br

A Lector Tecnologia é uma empresa que busca constantemente por novas tecnologias e novas ferramentas para melhorar cada vez mais a comunicação das empresas e das pessoas. Com essa filosofia a empresa está com uma a sua versão nova versão em HTML5 onde você poderá realizar interações a distância pelos seus dispositivos móveis (tablets e smartphones).

Conheça a plataforma de webconferência Lector Live e reduza tempo e custo em seus eventos, treinamentos, apresentações, suporte. Acesse www.lectortec.com.br e entenda porque grandes empresas adotaram a plataforma de comunicação a distância Lector Live.


Matemático usa smartphone para ensinar analfabetos a ler e a escrever em SP

Sala de aulas de alfabetização de adultos usa smartphone como ferramenta de apoio

Um grupo de 240 pessoas que vivem em oito cidades do interior paulista está aprendendo a ler e a escrever com o uso de smartphones dentro e fora da sala de aula.

Batizado de Palma (Programa de Alfabetização na Língua Materna), o projeto piloto afirma ter obtido resultados animadores ao adotar os aparelhos como instrumento complementar ao conteúdo dado nas aulas presenciais. A redução da evasão alcança taxas entre 50% e 100%.

Os estudantes são jovens a partir dos 15 anos e adultos que moram em Araras, Campinas, Franca, Itatiba, Leni, Ourinhos, Pirassununga e Santos. Pelo celular, as turmas resolvem exercícios, participam de jogos educativos e fazem as lições de casa.

O software desenvolvido pela equipe do matemático José Luis Poli, 56, coordenador do Palma, é também programado para avaliar o rendimento dos alunos, sendo capaz de identificar se um deles pode passar ou não para a etapa seguinte, mais avançada. As primeiras turmas se formam ainda neste ano.

“Diariamente, os alunos têm 40 minutos de atividades para serem feitas pelo smartphone. O tempo restante é de aula com um professor. A gente permite que os estudantes levem o aparelho para casa e façam as lições”, explica Poli.

Para 2013, o matemático pensa em ampliar o número de beneficiados, disponibilizando o serviço para 5 mil pessoas. Hoje existem 12,9 milhões de analfabetos com 15 anos ou mais no Brasil, segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Entraves

O potencial do celular no ensino a distância é promissor. O setor da telefonia móvel no Brasil cresce de forma contínua a cada ano. Para termos de comparação, havia 257,9 milhões de linhas habilitadas em agosto, de acordo com a Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações).

Uma tendência relativamente nova, a adoção do smartphone para fins educativos esbarra, porém, em alguns obstáculos, como a maior penetração do celular nos Estados ricos e menor nos mais pobres. Além disso, há muita resistência entre os professores, que se intimidam com o fato de não saberem mexer no aparelho.

“Depende também da orientação das instituições de ensino a qual ele pertence. Se a diretoria incentiva o uso do smartphone em sala de aula ou não”, explica o professor de novas tecnologias de Educação do Senac-Campos de Jordão, André Genesini, 41 anos. “Mas, ao ter contato com o celular, essa resistência vai diminuindo. É a tendência do futuro”, acrescenta.

Um grupo de 240 pessoas que vivem em oito cidades do interior paulista está aprendendo a ler e a escrever com o uso de smartphones dentro e fora da sala de aula. O software desenvolvido pela equipe do matemático José Luis Poli, 56, coordenador do programa Palma, é também programado para avaliar o rendimento dos alunos Reprodução

Fonte: Uol. Educação

 

Conheça a plataforma de webconferência Lector Live e reduza tempo e custo em seus eventos, treinamentos, apresentações, suporte. Acesse www.lectortec.com.br e entenda porque grandes empresas adotaram a plataforma de comunicação a distância Lector Live.


Conecte-se à internet pelo seu relógio

Além de ser compatível com a tecnologia Android, o I’m Watch também pode utilizar o sistema iOS
Foto: I¿m Watch/Divulgação

Se até pouco tempo atrás os sistemas de Android estavam restritos a smartphones, hoje já é possível utilizar a tecnologia no próprio pulso, através de alguns modelos de relógios, que podem ser sincronizados aos celulares. Com diferentes recursos e faixas de preço, os produtos podem atender a vários perfis de clientes que desejam estar sempre conectados. A seguir, conheça quatro opções de relógios com Android, e decida qual deles melhor atende às suas necessidades.

SmartWatch
À venda no Brasil desde o final de julho deste ano, o Sony SmartWatch tem um sistema Android capaz de conectá-lo a um smartphone via bluetooth e permitir receber ligações e SMS. Com preço sugerido de R$ 599, o relógio também dá acesso à internet. O SmartWatch conta com bateria de curta duração – quando usado com frequência, precisa ser carregado em um dia – e ativação de um toque especial em caso de perda.

I’m Watch
Através de um sistema de Android customizado, o I’m Droid, o I’m Watch também pode ser sincronizado com um smartphone, tendo acesso à internet, a recebimento de ligações, SMS e sistema de MP3 player. O relógio italiano conta com um recurso exclusivo de nuvem, o I’m Cloud, pelo qual se pode baixar os apps do Google Além da compatibilidade com Android, o produto é o primeiro do segmento que pode ser sincronizado com o sistema iOS, dos iPhones. Com o uso constante do Bluetooth, a bateria do relógio tem duração média de um dia. Disponível em várias cores, como amarelo e vermelho, o I’m Watch está à venda em seu site. É possível adquirir o produto por R$ 599, mas há versões na ordem dos milhares de reais, como os relógios banhados em prata (R$ 3.699), ouro (R$ 29.999) e ouro e diamantes (R$ 36.999).

inPulse
Por a partir de US$ 99 é possível adquirir o inPulse, relógio compatível com os sistemas Android e BlackBerry, em seu próprio site. Além de avisar o recebimento de e-mails, chamadas e SMS, quando sincronizado a um smartphone e um BlackBerry, o relógio permite que os usuários baixem apps e personalizem a interface do produto.

MOTOACTV
Apesar de receber chamadas, SMS e outros recursos através do sistema Android, quando sincronizado com um smartphone, o MOTOACTV é voltado principalmente para praticantes de esportes. O produto também pode ser utilizado sem a pulseira, como um tocador de mp3 ou acoplado a uma bicicleta, e conta com o uso de GPS para medir desde o tempo do percurso realizado até o número de calorias queimadas.

O relógio permite que os esportistas tracem um programa de aperfeiçoamento de seus treinos, além de rastrear todos os movimentos feitos durante o trajeto. Vendido no Brasil desde o primeiro trimestre deste ano, o modelo tem preço sugerido de R$ 999, com cinco horas de duração da bateria em ambientes externos.

Fonte: Terra

 

Conheça a plataforma de webconferência Lector Live e reduza tempo e custo em seus eventos, treinamentos, apresentações, suporte. Acesse www.lectortec.com.br e entenda porque grandes empresas adotaram a plataforma de comunicação a distância Lector Live.